Linguas disponíveis

Turismo - Utopia
22454
page-template-default,page,page-id-22454,page-parent,page-child,parent-pageid-21823,ajax_fade,page_not_loaded,,select-child-theme-ver-1.0.0,select-theme-ver-3.8.1,side_area_uncovered,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive

Turismo

O sector do turismo tem de facto possuído resultados positivos para a economia nacional muito por resultado do investimento dos privados, do contexto riquíssimo ao nível geográfico, da enorme diversidade cultural, da diversidade social e da vontade do estado em regular o sector de acordo com elevados padrões presentes nas directivas comunitárias e devidamente apoiados por fundos comunitários. Contudo, o sector do turismo posssui uma enorme diversidade e características bastante distintas quer nos locais de investimento, quer nos tipos e dimensão dos mesmos. Verificamos que o desempenho positivo se deve não só a pequenos investimentos como os do alojamento local, guest houses e pequenas casas de campo, como a edifícios de média dimensão como as pousadas, aldeamentos turísticos e hoteis de média dimensão, como os investimentos de maior dimensão como os resorts turísticos, hoteis de luxo, campos de golfe e parques. Para nós arquitectos é extremamente motivador participar deste verdadeiro crescimento económico sem paralelo na nossa economia.

Pátio de Hotel no Porto desenvolvido pelos arquitetos da Utopia.

Tipos de estabelecimentos turísticos

Os empreendimentos turísticos são equipamentos altamente regulados e com categorias específicas. Deste modo existe um enquadramento legal que regulamenta cada atividade e delimita e classifica cada investimento. Conheça em baixo algumas destas classificações.

Hoteis

Os estabelecimentos hoteleiros são provavelmente a forma de alojamento mais conhecida. Um hotel pode ser orientado para diversos segmentos económicos ou diferentes hábitos culturais. Os hotéis são edifícios destinados a alojamento de turistas e com um conjunto de serviços associados obrigatórios. É classificado segundo o número de estrelas até um máximo de cinco que correspondem à qualidade e quantidade de serviços prestados e dimensões dos espaços.

MAIS SOBRE O HOTEL

Alojamento Local

Os espaços que proporcionam alojamento e são regulados e fiscalizados pelas câmaras municipais no âmbito da atribuição de uma licença de utilização para uma construção nova. Aqui incluem-se todas as antigas hospedarias, pensões, albergarias e estalagens. No caso de construções existentes com uso habitacional, a inscrição nas finanças e portal do cidadão poderão ser suficientes desde que cumprida a legislação de segurança.

Hostel

Espaço de alojamento orientado para um turismo de baixo custo ou “low cost”, preferencialmente em camarata e direcionado para jovens.

Pousada da Juventude

Equipamento que obedece a regras comunitárias e que nalguns casos poderá ser privado ou concessionado. Possui preferencialmente um serviço de alojamento em camarata a preços controlados e mais orientado para jovens. Na realidade, embora não se trate de um alojamento local, acaba por possuir todas as características idênticas no que  a serviços diz respeito.

Guest House

É também legalmente um alojamento local. O termo guest house procura posicionar o investimento num segmento médio ou médio alto, na medida em que poderá inclusivamente ser alugado na totalidade ou em parte das suas unidades de alojamento. O serviço e o imóvel deverá ser de qualidade um pouco superior quando comparado com um hostel.

MAIS SOBRE ALOJAMENTO LOCAL

Aldeamentos Turísticos

Os aldeamentos turísticos são conjuntos edificados que possuem uma coerência formal. Terão de ter necessariamente um número mínimo de 10 unidades de alojamento, vulgarmente conhecidos como quartos. Os edifícios poderão inclusivamente estar em ruas diferentes, mas a gestão e a relação entre estes é fundamental.

Apartamentos turísticos

Os Apartamentos turísticos são no fundo edifícios em que as unidades de alojamento são apartamentos. Isto é, o espaço alugado ao turista é uma fracção autónoma. Contudo, terão de ser salvaguardados os serviços de pequenos almoços e restauração, limpeza, e outros conforme a classificação pretendida.

Resorts

Os conjuntos turísticos, também conhecidos como resorts, são formados por um conjunto de vários empreendimentos turísticos distintos. a relação entre estes deverá ser de clara e organizada permitindo satisfazer todas as necessidades do turista sem necessidade de se ausentar do resort.

Turismo de Habitação

Os empreendimentos de Turismo de habitação são Imóveis com especial relevo que podem ser usados para turismo. Não é obrigatório que se tratem de imóveis classificados, podendo o seu carácter único ou o facto de terem sido habitados por uma figura histórica ou notável constituir factor relevante para esta classificação.

Turismo no espaço rural

Os empreendimentos de turismo no espaço rural dizem respeito a todo o turismo desenvolvido em ambiente próximo da natureza e do mundo rural. Existem diversos tipos de equipamentos pensados para estes locais.

Casa de campo

Espaço de alojamento localizado em ambiente rural. Deverá conter unidades de alojamento e um conjunto de atividades que promovam o meio rural num espaço acolhedor e familiar.

Turismo de aldeia

Conjunto de várias casas de campo possuindo alguns serviços centralizados num pequeno equipamento. É necessário um número mínimo de cinco edificações.

Hoteis Rurais

São hotéis localizados em ambiente rural e orientados para um turismo amigo da natureza. Um hotel rural é também classificado segundo estrelas e promove uma relação do utilizador com o mundo rural e a natureza. O caracter ecológico do empreendimento e uma construção sustentável são mais valias importantes.

Agroturismo

São estabelecimentos turísticos que promovem o conhecimento do mundo rural e das actividades agrícolas de características excepcionais. O turista desfruta, acompanha ou participa dos trabalhos agrícolas e contacta com uma realidade técnica e cultural ímpar.

Parques de campismo e caravanismo

Um parque de campismo e caravanismo é um empreendimento integrado na natureza.  É equipado com as instalações e infraestruturas necessárias para para os campistas e caravanistas usufruírem do meio natural em perfeitas condições de conforto e salubridade.

Empreendimentos de turismo da natureza

Estes estabelecimentos turísticos são localizados em zonas de paisagem protegida ou natural e dizem respeito a edificações de características sustentáveis e de baixo impacto ambiental. A sustentabilidade da construção e a promoção de um contacto responsável entre o turista e o meio ambiente é fundamental.

Como desenvolver a actividade turística

O turismo é uma actividade que quando bem gerida pode ser altamente rentável. No momento actual acentua-se a tendência da diferenciação. Isto é importa conhecer bem o mercado que se pretende atingir e procurar fornecer uma oferta que adicione valor ao turista. Esse adicionar de mais-valias é obviamente mais fácil de fazer através de uma oferta única, algo que no fundo possibilite ao consumidor uma experiência extraórdinária. Esse caracter único da oferta atinge-se através das particularidades de um local que são impossíveis de reproduzir noutro. Mas atinge-se também com uma inovação no serviço prestado, nos produtos escolhidos e na gestão.

Mas convém não esquecer que toda esse esforço não adiantará de nada de não existir uma estratégia comercial bem definida e persistente que faça chegar os argumentos aos mercados identificados anteriormente. E para isso existem diversos canais a utilizar e parcerias a estabelecer com os operadores mais relevantes dentro do segmento alvo.

É também importante acrescentar que muitos dos empreendimentos turísticos de maior sucesso acabam por introduzir sectores como a agricultura, o desporto, a cultura, os negócios, a saúde e outros de modo a atingir a diferenciação pretendida e algo muito importante no esforço comercial: a escala. Promover a marca de um vinho associada a um hotel e a um acontecimento com notoriedade é economizar nos recursos comerciais e permitir com menos dinheiro fazer chegar o produto a mais pessoas.

Como criar um Hotel?

Fazer crescer um Hotel é uma experiência tão entusiasmante quanto exigente. Antes de mais é preciso desmistifar algo que ainda encontramos no senso comum: a ideia que um hotel assenta no negócio da dormida. Este é um conceito que não corresponde à realidade. Um hotel é uma experiência estremamente complexa que se inicia no momento em que o consumidor ouve ou vê referências ao mesmo. Passa pela forma como contrata os serviços do hotel, como é informado das suas dúvidas, como chega ao local, como entra no espaço privado do hotel e o modo como é recebido e ecaminhado para os serviços contratados. Durante a prestação do serviço existe já todo um caminho percorrido e uma relação de confiança estabelecida. Os serviços correspondem a dormidas efectvamente, mas correspondem também a todo um leque de actividades bem mais importante e rentável. Por fim, é também fundamental a forma como o cliente efectua o pagamento, como ele reconhece valor ao serviço e como se induz a oportunidade de voltar.

Como pensar um Hotel Rural?

Os hoteis rurais são no fundo um empreendmento turístico hoteleiro localizado em espaço rural e com um serviço que tira partido desse mesmo contexto. A legislação é extremamente exigente ao nível da qualidade destes equipamentos e nessa medida são preconizadas exactamente as mesmas valências de um simples hotel. É no fundo uma indicação para os promotores e consumidores de que o ambiente envolvente é distinto. Assim o arquitecto e o promotor deverão procurar por incorporar essas especificidades no conceito estético do mesmo, nos serviços fornecidos e na informação comercial aos clientes.

Como fazer uma Casa de Campo?

Uma casa de campo é um processo bastante mais simples e não obriga a qualquer parecer do Turismo de Portugal. É uma competência exclusiva das câmaras municipais licenciar estes equipamentos. Contudo o promotor pode usar o dístico de turismo e está abrangido pelo necessário cumprimento de toda a legislação em vigor. É importante referir que uma casa de campo tem como objetivo uma estadia num ambiente rural, onde a natureza envolvente tem um papel determinante. A capacidade de alojamento está limitada a um número reduzido e há um claro objetivo de transmitir um ambiente familiar ao turista ou cliente.

Como organizar um aldeamento turístico?

Um Aldeamento turístico organiza-se aquando da constituição de seis ou mais casas de campo. Estamos em presença de um conjunto de edificações com uma certa autonomia. É uma estratégia extremamente apropriada para a reabilitação de aldeias rurais despovoadas no interior do país. É importante acrescentar que as casas são autónomas, pese embora o facto de cada uma delas poder possuir mais que uma unidade de alojamento. É fundamental centralizar numa casa a recepção, alguns serviços e actividades várias de modo a prestar um bom serviço ao cliente.

Como abrir um Hostel?

Um Hostel não necessita de parecer do Turismo de Portugal e é também uma competência exclusiva das câmaras municipais. Insere-se na categoria de alojamento local e não poderá usar qualquer dístico de turismo. Existem também restrições ao número de quartos duplos ou singulares. Aqui privilegia-se o alojamento em camarata. Embora se trata de um segmento médio baixo ou “low cost” a concorrência tem proporcionado atualmente  uma oferta com uma qualidade superior. Como tal é aconselhável para o investidor neste tipo de alojamento local apostar desde o início numa boa organização, num bom serviço e num design de qualidade.

Como estruturar um resort turístico?

Um resort é constituído quando um investimento possui vários equipamentos turísticos e estão inseridos num conjunto coerente que apresenta um produto turístico de elevada qualidade. É necessário um mínimo de 3 estabelecimentos trísticos diferentes e um deles deverá ser um hotel. As combinações mais comuns para os resorts incluem um estabelecimento hoteleiro, um equipamento desportivo como um campo de golf, um spa,  alguns apartamentos turísticos e um restaurante de elevada qualidade. A diversidade de atividades a desenvolver no resort são fundamentais na medida em que se pretende prestar um serviço completo ao turista sem que este sinta a necessidade de sair do espaço.

O arquitecto num estabelecimento turístico

Se existe equipamento onde o arquiteto é fundamental é precisamente o equipamento de turismo. A qualidade dos serviços associados são a razão que diferencia a empresa. Ora, o projeto que mais valor pode acrescentar ao negócio é precisamente o projeto de arquitetura na medida em que permite uma gestão rigorosa futura e um ambiente acolhedor, confortável para o cliente e turista.

A importância dos serviços e actividades num investimento turístico

Não nos cansamos de alertar os nossos clientes e investidores para a importância dos serviços e atividades enquanto fonte de receita. O alojamento é apenas uma parte da atividade turística.

A inovação no sector do Turismo

O consumidor procura todos os dias produtos que lhe proporcionem emoções e experiências novas. A inovação foi, é, e será sempre um fator diferenciador. O investimento em produtos alternativos adicionará valor ao seu negócio.

Projetos de Turismo

O sector do Turismo é sem dúvida um dos programas em que o impacto positivo na economia mais se tem feito sentir. Este resultado não é senão fruto do potencial do território e da riqueza cultural e social presente em Portugal. Ao mesmo tempo consideramos justo referir que o investimento do estado em regular o sector em concordância com aquilo que são as directivas comunitárias tem também resultado numa maior exigência na qualidade dos investimentos realizados em cada hotel e num crescimento assinável do Turismo. Para nós arquitectos participar no desenvolvimento de hoteis cada vez melhor equipados, mais competitivos e de melhor desempenho e avaliação internacional é não só um orgulho como um desafio lançado para o futuro.