Linguas disponíveis

Coronavirus (COVID-19) e Arquitectura

O surgimento da pandemia Coronavirus que no inicio de 2020 colocou praticamente todo o mundo em quarentena tem não só consequências claras no modo em como a arquitectura é percepcionada por todos como também coloca novos desafios aos arquitectos. Este tipo de eventos já aconteceu ao longo da História, mas tem contornos especificos e novos. Por um lado os ateliers de arquitectura e engenharia têm de adaptar os seus procedimentos de modo a eliminarem o risco de contágio entre os seus colaboradores. Por outro lado, as soluções de projecto têm de permitir um combate eficiente à pandemia do coronavirus. Deste modo, a Utopia – Arquitectura e Engenharia Lda está não só comprometida com as boas práticas de higiene e saúde no trabalho como procurará desenvolver as melhores soluções de projecto que permitam nos anos futuros lidar com eventos desta natureza com maior eficácia.

A Arquitectura e o Coronavirus
A Arquitectura no combate ao Coronavirus
O bom exemplo da casa bioclimática de Carregal do Sal desenhada pela Utopia mostram como as boas práticas no desenho do projecto de arquitectura permitem um combate eficaz à pandemia em perfeito conforto.

Os arquitetos e o coronavirus

Em ambiente de trabalho os arquitectos comprometem-se a seguir as orientações de instituições como o ministério da saúde e a organização mundial de saúde. Estas organizações recomendam a lavagem frequente de mãos e, numa primeira fase de combate o uso preferencial do teletrabalho. Numa segunda fase de combate é recomendável um distanciamento social ou o usos de máscaras não cirúrgicas ou viseiras de modo a reduzir o risco de contágio e a não criar constrangimentos aos profissionais de saúde que necessitam de equipamento cirurgico.

Propomos o mesmo aos nossos clientes, dando sempre a oportunidade de realização de videoconferências e no caso de realização de reuniões nas instalações temos os recursos disponíveis para fazer cumprir as recomendações das organizações de saúde.

As pandemias já ocorreram na história, em particular no século passado, e como tal, podemos aprender com as estratégias e erros do passado.

As soluções de projecto que mais eficazmente combatem as epidemias são já utilizadas pelos arquitectos da Utopia. Se entretanto reforçarmos os projectos com medidas específicas para o combate ao coronavirus podemos com segurança encarar este momento como uma oportunidade para elaborar cada vez com mais eficácia uma arquitectura de qualidade para todos.

Epidemias ao longo da História e seu impacto na Arquitectura

Ao longo da História sempre houve epidemias. Na idade média a peste negra fez com que as cidades se fechassem entre muralhas e exigissem confinamento e restrições à entrada de estranhos à mesma. Muitas das medidas preventivas contribuíram para o agravamento das epidemias como o erro de eliminar gatos. Os gatos eram associados à transmissão da doença. Contudo o transmissor era o rato. A morte dos gatos ainda piorou o número de contágios. Temos de aprender com estes erros e não permitir que o pânico piore os resultados da epidemia.

No século XIX várias epidemias assolaram o nosso território. A resposta foi pela primeira vez a fuga para o entorno da natureza. Foram construídos edifícios conhecidos como sanatórios nas montanhas, nas florestas, nas zonas verdes próximas das praias. Estes edifícios eram usados para recobro dos enfermos de classe mais elevada. Ao mesmo tempo, surgem espaços como largas varandas, estufas de plantas, espaços exteriores pavimentados e janelas mais generosas. As casas de banho tornam-se finalmente essenciais na habitação e são instaladas na generalidade dos prédios urbanos. Há também investimentos públicos significativos em saniamento e higiene. As ruas passam a ser limpas regularmente e surgem parques ajardinados no interior das cidades. O combate às epidemias, paradoxalmente ou não,  acabou por melhorar a longo prazo a qualidade de vida nas cidades e no campo, assim como melhoraram a saude e higiene dos cidadãos, aumentando a esperança de vida.

No início do século XX, as epidemias que assolaram o território europeu como foi o caso da pneumónica ou gripe espanhola foram também transformadoras dos projectos de arquitectura. O impacto da epidemia foi tal que surge a necessidade de criar uma nova arquitectura que priveligie a radiação solar com janelas francas e ventilação natural. Os arquitectos passam a defender ruas largas, mais arborizadas que permitam fazer chegar o sol e ar puro a todos os cantos da habitação. Surge a cobertura horizontal e o uso de terraços para banhos de sol saudáveis. As casas de banho passam a ser instaladas em todos os sectores da casa. As lavandarias e as cozinhas são também espaços que passam a ter equipamentos específicos que promovem a higiene e saúde. A periferia das cidades passou a ser vista como o espaço mais saudável para viver. Assim uma vez mais a sociedade arranja novas soluções que melhoram a vida das pessoas. Contudo, os centros históricos passam a ser vistos como promotores de doença e são vistos como um problema a demolir. Novamente as boas soluções são acompanhadas de exageros e erros que penalizam a nossa qualidade de vida.

Nos anos 60 do século passado surgem as grandes vagas legislativas. Os edifícios passam a ter que ter obrigatoriamente ventilação em todos os espaços, luz natural mínima, áreas mínimas, acabamentos que permitam a limpeza, infraestruturas de água e esgotos com capacidade mínima, etc. Os edifícios têm de ter afastamentos mínimos que permitam a entrada de sol. Todas as habitações legais passam a ter de ser servidas por água e esgotos. Enfim, todo um corpo legislativo com vista a garantir que as epidemias são combatidas. Grandes avanços ocorrem sa higiene e saúde da população novamente. Mas infelizmente, os exageros também ocorreram e largas zonas dos centros históricos são demolidas pois eram consideradas fontes de doença.

Medidas de combate ao COVID-19 no Projecto de Arquitectura

É natural que se acumule ao longo do tempo cada vez mais legislação promovida pelos agentes de saúde em coordenação com os arquitectos que venham a complementar esta informação. Contudo, A Utopia é um gabinete de arquitectura pro-activo e nesse sentido propomos desde já medidas que já implementamos ou consideramos importante incluir sempre que possível. Contudo, é importante referir que estamos sempre disponíveis para as rever caso existam exageros. Em todo o caso a generalidade das medidas já eram aplicadas por nós pois constituem boas práticas de higiene e saúde. Geralmente são resultantes de três conceitos: distanciamento social, higienização e controlo de acessos.

 

Máxima área exterior permeável e arborizada
Áreas exteriores arborizadas melhoram a qualidade do ar e consequentemente reduzem o risco de complicações respiratórias.
Entradas nos edifícios com acesso a espaços amplos
Os vestíbulos amplos permitem distanciamento social e impedem a transmissão de doenças por contágio em caso de epidemia.
Máxima radiação solar possível 
As fachadas devem ter a máxima radiação solar possível, devendo ser aumentadas sempre que possível as áreas envidraçadas. Contudo devem ser protegidas com protecções exteriores e evitados exageros.
Máxima renovação do ar
A ventilação transversal deve também ser utilizada de modo passivo garantindo que o ar é renovado continuamente
Facilitar a higiene dos equipamentos
Evitar equipamentos de climatização que necessitem de filtros ou condutas de ar. Ao mesmo tempo equipamentos de cozinha ou casa de banho devem sempre ser de facil higienização.
Acabamentos de fácil higienização
Utilizar acabamentos que não se degradem ou acumulem partículas e permitam uma limpeza regular e desinfecção completa
Quarto de banho de serviço acessivel à entrada
A lavagem de mãos deve ser executada próxima do vestíbulo ou directamente a partir das zonas de circulação
Entrada com lavagem de pés
sempre que possivel deverá integrar-se um lava-pes junto à porta de entrada para higienização dos pés
Vestíbulo com acesso próximo a sapateira
Próximo do vestíbulo deverá haver um armário para substituição do calçado exterior por calçado interior
Possibilidade de utilização de casas de banho privativas
Deverá haver uma casa de banho que possa ser afecta a um quarto isolado para infectados sobretudo na habitação.
Prioridade ao controlo de entradas
Controlar quem entra e onde é mais do que uma medida de segurança, uma vantagem no combate à propagação de doenças infeciosas.

Medidas de combate ao coronavirus no Gabinete de arquitectura

Acreditamos que o nosso local de trabalho pode e deve ser mais seguro que a nossa própria casa. Assim implementamos um conjunto de medidas que estamos sempre disponíveis a rever de acordo com as recomendações das entidades de saúde.

Lavagem frequente de mãos
Funcionários ou clientes têm acesso à casa de banho para higienizarem as mãos. Mesmo assim disponibilizamos gel para higienização de mãos nas mesas de reunião.
Recurso ao teletrabalho
Sempre que necessário por deliberação oficial o atelier de arquitectura trabalha com todos os seus colaboradores e funcionários em teletrabalho sem prejudicar os prazos do desenvolvimento dos projectos. Temos a nossa informação em servidores protegidos e como tal estamos bem preparados para esta eventualidade.
Recurso à videoconferência
Sempre que o cliente o desejar ou por deliberação das autoridades estamos preparados para efectuar videoconferencias pelas aplicações populares como Skype. Whatsapp, Zoom, etc
Visitas às obras
As visitas às obras terão de ser feitas sempre com material adequado de acordo com as recomendações oficiais.
Reuniões com clientes mediante marcação
As reuniões com os clientes nas nossas instalação são efectuadas mediante marcação para garantir a higiene e conforto necessários.

As obras da Utopia no combate à Epidemia

As obras que constam do Portfolio da Utopia são um exemplo de como as boas práticas de projecto geram edificações completamente preparadas para ultrapassar períodos de confinamento em perfeito conforto. Ao mesmo tempo as obras que projectamos permitem uma fácil higienizarão de todos os espaços e renovação de ar verdadeiramente eficiente. Destacamos ainda a relação com a Natureza que tanto promove o confinamento em conforto como protege o ambiente em que vivemos. Não podemos deixar de referir a importância que damos a funcionalidade e ao controlo da radiação solar, praticas que não só facilitam a vida em isolamento como permitem a redução da propagação da epidemia.

Impacto do coronavirus no Imobiliário

É sempre difícil fazer previsões ou tirar conclusões durante uma pandemia. Na realidade, o balanço só poderá ser feito muito tempo depois da pandemia passar. Contudo, o passado dá-nos pistas para o futuro e permite-nos tirar conclusões certeiras.

Grandes transformações são necessárias nos serviços de turismo, restauração e transportes. Haverá medidas restritivas à capacidade instalada e como tal estes establecimentos, para serem viáveis terão de subir na escala de valor. A qualidade da arquitectura quer para o cliente quer para o funcionário é assim mais importante que nunca.

Mudanças importantes na habitação surgem também. Há uma maior valorização da casa pois pode ser necessário estar em confinamento. Assim a habitação tem de ser funcional, eficiente, permitir acesso cómodo, rápido e em segurança e higiene desde o exterior. O estacionamento privativo ganha novo valor assim como a habitação unifamiliar. As casas com suite, vestibulos generosos, muita luz, jardim e estacionamento são assim mais valorizadas.

Os locais de trabalho como escritórios têm de rever a capacidade instalada para permitir incorporar as medidas de distancianciamento e combate ao virus. Escritórios amplos ou com acesso a estacionamento privativo são novamente valorizados.

As dificuldades de liquidez das empresas decorrentes da epidemia fazem com que mais que nunca seja dada especial atenção à produtividade, custos de manutenção, eficiencia, qualidade e higiene dos locais de produção.

Dúvidas sobre A arquitectura e o Coronavirus

Leia nesta secção as questões mais colocadas aos arquitectos sobre  o covid-19 ou como se diz frequentemente em português mais frequentemente coronavirus.

COMO CLIENTE POSSO APARECER NAS INSTALAÇÕES OU TENHO DE MARCAR REUNIÃO?

Neste momento solicitamos a todos os nossos clientes que nos contactem previamente de modo a agendarmos qualquer reunião. Este é o melhor modo de garantir a aplicação de todas as medidas de combate á epidemia nas nossas instalações em perfeito conforto.