Linguas disponíveis

Loteamento em Gaia

Loteamento em Gaia

O nosso gabinete de arquitetos foi contactado para desenvolver um loteamento em Vila nova de Gaia em que a eficiência, a funcionalidade e a sustentabilidade fossem os atributos principais. A estratégia assentou assim em desenvolver uma solução para os lotes que utilizasse ao máximo as infraestruturas existentes e garantisse lotes com as características necessárias para desenvolver uma arquitetura sustentável.

 

Urbanismo sustentável

Existem várias estratégias que podem ser adotadas para criar uma cidade mais amiga do ambiente. Neste projeto de loteamento nós aplicamos as seguintes:

  • Aproveitar as infraestruturas existentes ( viárias, telecomunicações, rede de abastecimento de água e esgotos, eletricidade e gás)
  •  Reduzir a área de impermeabilização, aumentando áreas permeáveis
  • Permitir lotes que possam albergar estratégias de aquecimento e arrefecimento com energia solar passiva. Lotes de quatro frentes são mais eficazes para este efeito.
  • Evitar a movimentação de terras
  • Arborização intensiva

As características dos vários lotes e os respectivo alvarás de loteamento condicionam assim o desempenho futuro da arquitetura.

 

Loteamento em Vila Nova de Gaia

A estratégia da arquitetura para cada lote incluía não só conceitos de eficiência energética como a máxima funcionalidade. Nesse sentido, a habitação desenvolve-se abraçando um pátio com piscina e vista sobre o jardim. Junto à entrada da rua está a garagem e ligada a esta uma pérgola que nos conduz às entradas. No piso superior estão os quartos com quartos de banho privativo, a cozinha, o W.C. de serviço,  a sala de estar e a sala de jantar. No piso inferior um quarto de visitas, lavandaria e salão de jogos. Algumas funcionalidades como a sala de cinema e pequeno bar posicionam estes lotes num segmento alto.
A cidade só será ambientalmente eficiente se a arquitetura o for também. Nesse sentido, preparar um loteamento ecológico é preparar um urbanismo amigo do ambiente.

Torres Residenciais e Centro Comercial

A baía de Orão na Argélia está em consolidação e muitos investimentos surgem sob face de novas torres e arranha-céus. Os nossos arquitectos elaboraram o plano de desenvolvimento de três torres residenciais e um centro comercial à cota baixa. O conceito das torres recupera a geologia do local como se de um grande bloco de pedra fossem extraídos os fosseis e se desse origem às fachadas. As três torres são assim mais regulares para fora e irregulares para dentro do complexo. Por outro lado os arranha-céus ligeiramente rodados permitem tirar mais partido das magníficas vistas sobre o mar mediterrâneo. Na cota baixa, o centro comercial garante a animação do novo passeio marítimo. A cidade densifica-se e as torres de Orão são agora um elemento que lhe confere a nova identidade deste século.

Masterplan em Lousada

Foi solicitado aos nossos arquitectos a elaboração de um “Masterplan” que organizasse os novos equipamentos sociais da Santa Casa da Misericórdia de Lousada.

No novo loteamento podemos encontrar um projecto saúde que inclui uma unidade de cuidados continuados e uma nova unidade de cuidados paliativos. Na zona que diz respeito ao projecto dependência podemos encontrar dois centros de actividades ocupacionais e um lar residencial. No projecto emergência foi pensado um conjunto de residências para vitimas de violência familiar. No caso do projecto de intervenção foi previsto um lar de idosos e um conjunto de residências seniores.  A estratégia assentou na resolução perfeita dos problemas funcionais, na criação de uma solução de custos controlados e no respeito profundo pela envolvente natural e rural.

O resultado é um plano geral que contempla a eficiência, o profissionalismo e uma relação próxima com a envolvente natural.

Loteamento Industrial em Barcelona

Em Poblenau, periferia de Barcelona, era necessário planear a ocupação da malha do século XIX para receber as actividades económicas actuais mais pujantes. Optamos por não separar a indústria actual, tecnológica e amiga do ambiente, da habitação, reduzindo ao máximo as deslocações e o trânsito urbano. Ao mesmo tempo cria-se um loteamento de quarteirões que permite um interior com preços de solo mais baixos e portanto mais competitivos para a indústria. Planear a cidade é programar a forma da própria economia.

Projecto, 2003

Pontes pedonais Tuboflex

A futura linha do TGV poderá atravessar Portugal dividindo as populações tanto dos territórios urbanos como dos rurais. A nossa proposta consiste na construção de pontes pedonais através de módulos pré-fabricados em fibra de vidro, conjugados como uma autêntica canalização. Criando formas infinitas atravessam a linha quer por cima, quer por baixo. As pontes resolvem as rupturas ao longo do território criando uma imagem contínua ao longo do traçado do TGV.

Concurso, 2004, 1º prémio

Parque Urbano na Figueira da Foz

Para o necessário financiamento de um parque a autarquia necessitava de obter capital através da promoção imobiliária. A nossa proposta permitia que a oferta imobiliária se localizasse em redor do parque sem o descaracterizar. Para isso desenvolvemos umas habitações totalmente revestidas com vegetação. No novo parque de Tavarede, as habitações surgem desapercebidas no interior do verde.

Projecto, 2007

Urbanização Sustentável na Noruega

Para uma zona central da cidade de Lillestrom, na Noruega, propusemos um urbanismo sustentavel. A proposta consiste no desenvolvimento de edifícios comerciais que atravessam o espaço público e que servem de percurso para peões e bicicletas. Os edifícios privados são concebidos segundo os princípios de sustentabilidade energética. A energia não mais será barata, e as cidades terão de adoptar novas soluções de urbanidade…

Projecto, 2008

Casas Pátio de Guimarães

O terreno consistia numa quinta junto a uma praia fluvial. Propusemos um resort de casas-pátio unifamiliares e habitações de acesso directo. No fundo, uma mesma casa é repetida com variantes que se adaptam ao terreno e às pessoas que a ocupam. Resulta um bairro de casas todas diferentes e todas familiares. A arquitectura é sempre a resposta a uma vertente económica. E essa resposta só é verdadeiramente válida quando se torna também a resposta mais adequada ao lugar…

Projecto, 2008

Projeto Imobiliário em Angola

Um Projecto imobiliário em Angola exige projectos de arquitectura sustentáveis e ajustados ao clima e à cultura. A estratégia do arquitecto assentou na casa com pátio. O projecto da casa desenvolve-se em forma de L, é construída com materiais locais e pode crescer em função das necessidades da população.

O projecto de loteamento possui assim uma estratégia para os lotes que possibilita tipologias diversificadas e adaptadas à realidade local.

O arquitecto projecta a urbanização ordenada da cidade em Angola com respeito pela tradição, funcionalidade e cultura angolana. O bairro regenera-se assim constantemente viajando entre a regra e a flexibilidade.

Parque de arvorismo

Uma impressionante área florestal densa com 5 hectares e uma pendente elevada foi o sítio escolhido para implantar um parque de arvorismo. Novos caminhos pedestres cruzam-se com os caminhos aéreos entre as árvores. Pelo meio espaço para nadar, saborear a comida tradicional e contemplar os animais no seu habitat mais natural. As atividades do turismo futuro são ecológicas e sustentáveis. Que melhor recompensa que uma gargalhada largada por entre as árvores…

Projecto, 2009