Linguas disponíveis

Adega no Douro

Adega no Douro

A Arquitectura da Adega no Douro

Os nossos arquitectos foram contratados para desenhar a reabilitação e ampliação com construção nova de uma Adega no Douro, mais propriamente em S. João da Pesqueira. Assim, a intervenção apresenta duas vertentes. Por um lado pretende-se reorganizar a adega existente. Por outro pretende-se ampliar todos os aspectos da produção e exploração. A estratégia assentou assim na criação de uma linguagem arquitectónica de conjunto que permite associar a marca Quevedo a um edifício único e emblemático.

O edifício procura recuperar a tradição construtiva do Douro de naves longitudinais que cresceram ao longo do tempo em redor de pátios agrícolas. Deste modo o conjunto edificado consiste numa sequência de volumes de maior ou menor dimensão que geram a percepção de um pequeno aldeamento no Douro. O projecto de arquitectura consegue portanto transformar um edifício de enorme escala num conjuntos de construções devidamente integradas na envolvente.

 

O uso Agro-Industrial

Um edifício agrícola como uma adega possui nos dias de hoje uma forte componente industrial. Neste sentido, torna-se muito importante que o gabinete de arquitectura domine as mais recentes tecnologias de vinificação, depósito de vinhos, engarrafamento, embalamento, logística  e por fim até a actividade turística.

O edifício no piso de rés do chão possui a linha de produção que começa na vinificação, ao seu lado tem os depósitos e de seguida possui o engarrafamento e embalamento, reduzindo-se desta forma todos os cruzamentos prejudiciais à actividade agro industrial. Na zona norte encontram-se os espaços de reunião e provas que acolhem a actividade turística. Nas caves encontram-se os depósitos de vinhos mais antigos e as provas de vinhos ligadas à actividade turística. Existe ainda um percurso em mezzanino sobre toda a actividade industrial onde o turista pode observar todo o processo de produção sem interferir com a segurança e produtividade das instalações.

Os componentes fundamentais da adega foram cuidados ao pormenor:

-Vinificação

Optamos por uma nave que permita máxima flexibilidade e incorporação de tecnologia recente.

-Depósitos

Desenvolvemos o máximo de controlo térmico e de eficiência energética garantindo excelente qualidade para o vinho.

-Engarrafamento

Criamos uma linha em formato ‘U’ garantindo o mínimo de mão de obra e o máximo de eficiência.

-Embalamento

Desenvolvemos um espaçamento de paletes e corredores optimizado de modo a aumentarmos a capacidade de armazenamento.

-Turismo

A actividade turística desenvolve-se em paralelo com a industrial. Mas progride sem interferir com os processos de transformação ou transporte de produtos.

 

Tipografia em Gondomar

Era necessário ampliar o edifício industrial de uma velha tipografia em Gondomar, arredores da cidade do Porto. O orçamento era reduzido mas ipunha-se a necessidade de instalar um armazém industrial, zona de produção e escritórios. Concebe-se um edifício em estrutura metálica revestida a chapa ondulada. O novo espaço liga-se ao velho através de uma manga. A luz entra nos escritórios através de aberturas que mais não são do que o simples rasgar das paredes. As palas que resultam das aberturas protegem o interior do sol. Um novo contentor brilha na periferia da cidade.

Projecto 2004

Indústria Medicinal

Foi-nos encomendado o projecto de um armazém medicinal situado na Maia para uma multinacional implantada em Portugal à vários anos. Incluía respectiva zona para produção produtos e medicamentos. O licenciamento industrial era também absolutamente necessário. Um rigoroso plano de necessidades, medidas de segurança e equipamentos  industriais a implantar molda o projeto com enorme rigor. Os prazos para construção eram curtos e o orçamento bem delimitado. O projecto foi executado em tempo útil e a qualidade dos espaços permite agora um considerável aumento da segurança, higiene, produtividade e conforto dos trabalhadores. Por outro lado, a imagem da empresa perante o público, colaboradores e cliente sai valorizada.

Projecto, 2015